quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Capítulo 20 (Penúltimo Capítulo)

Zac mal falou no caminho de volta. Vanessa não sabia se ficava preocupada ou satisfeita com o silêncio. Retorcia as mãos sobre o colo, fingindo-se interessada na paisagem noturna. Chegaram a casa minutos depois, e Vanessa esperou Zac dar a volta para lhe abrir a porta do carro.
— Você está muito bonita está noite — ele disse, segurando-lhe a mão para ajudá-la a sair do carro.
— Zac... Vamos entrar. Estou com frio.
Zac a seguiu até a entrada, ligeiramente apreensivo.
Lúcia apareceu no vestíbulo assim que Vanessa abriu a porta, Zac vinha alguns passos atrás.
— Algo errado? — Vanessa perguntou, vendo o rosto preocupado da governanta. — Lynda está bem?
— Sim. — Lúcia retorcia as mãos, os olhos fixos na entrada do salon.
— O que foi? — Zac perguntou, fechando a porta.
A governanta olhou agoniada para Vanessa antes de responder ao patrão.
— Visita para a Signora Efron.
Vanessa perdeu a cor, as pernas ficando trêmulas de pânico.
— Quem é? — Zac perguntou enquanto tirava o paletó. — Alguém que eu conheço?
A porta do salon foi aberta e Zac se deparou com uma cópia de sua esposa.
— Olá, Zac — Stella murmurou.
Vanessa sentiu todo o peso do olhar de Zac, o rosto carregado de incredulidade, susto e raiva.
— Alguém vai me dizer o que está acontecendo ou terei que adivinhar? — A voz era cortante.
Vanessa engoliu em seco.
— Eu pretendia contar...
Stella deu um passo adiante, movendo-se sedutoramente, e interrompeu a irmã.
— Que menina má, não é, Zac? Passando-se por mim para colocar as mãos na herança de Lynda.
Vanessa agarrou o braço de Zac.
— Não é verdade!
Zac olhou a mão que segurava seu braço, uma expressão de nojo ao repeli-la. Voltou-se para a governanta, pedindo que ela se retirasse. Lúcia olhou preocupada para Vanessa e saiu com certa relutância.
— Vocês duas. — Zac indicou a porta do salon. — Entrem... agora.
Stella entrou novamente no salon, não sem antes lançar um olhar ardente para Zac. Vanessa a seguiu, sentindo-se desesperada. Zac fechou a porta antes de falar:
— Vamos começar pelo começo. Qual das duas é mãe de Lynda?
— Eu. — Stella deu um passo adiante. — Eu a deixei com Vanessa por alguns dias e ela simplesmente resolveu assumir o meu lugar.
Os olhos de Vanessa faiscavam de raiva.
— Não fiz nada disso! Você a abandonou!
— Não escute o que ela diz. — Os olhos de Stella estavam cheios de lágrimas. — Amo minha filha; é tudo o que me sobrou de Dylan. Vanessa ficou com ciúmes. Sempre quis se casar e ter filhos. Ela o enganou para conseguir se casar.
— Zac! Não a escute! Ela está inventando coisas!
Zac a fitou por um instante antes de se dirigir a Stella.
— Gostaria de conversar com minha... com Vanessa a sós. Pode nos dar licença?
Stella ergueu o queixo.
— Ela só vai contar mais mentiras. Fez tudo isso por causa do dinheiro. Apesar do que diga, é dinheiro o que ela quer.
Zac agarrou Vanessa pelo braço e a levou para fora, a expressão impassível. Vanessa ficou calada enquanto era levada para o andar superior. Entraram no quarto de Zac, que bateu a porta depois de passar. Os olhos buscaram os dela... furiosos.
— Espero que tenha uma boa explicação, ou juro que vai se arrepender de ter nascido.
— Eu pretendia contar...
— Não minta para mim! — ele berrou. — Tenho bancado o idiota desde o começo. — Passou a mão pelos cabelos e afastou-se dela, balançando a cabeça em descrença. — Não acredito que foi tão baixa! — Voltou-se para Vanessa. — Valeu a pena? Gostou de rir às minhas costas enquanto me enganava?
— Não! Eu...
Zac aproximou-se dela.
— Você me fez de idiota e não a perdoarei por isso.
— Zac... por favor, deixe-me explicar. — Vanessa retorcia as mãos, agitada. — Não queria que fosse assim. Quando você apareceu naquele dia, pensei que levaria Lynda embora. Eu precisava fazer alguma coisa! Não pensei que as coisas chegariam a este ponto, eu juro!
— Por que não contou a verdade quando teve a chance? Preferiu inventar mentiras o tempo inteiro. Teve várias oportunidades de me contar a verdade, mas não o fez.
— Eu sei! Sinto muito... Fiquei assustada. Pensei que não me deixaria ver Lynda novamente. Você sempre fazia ameaças; não tive escolha.
Zac bufou ao lhe dar as costas.
— Deve me achar o maior dos idiotas, mas sei que gastou o dinheiro assim que o depositei em sua conta.
— Não gastei! Eu dei para Stella porque...
— Planejaram tudo juntas, não foi? — Os olhos dele brilhavam perigosamente.
— O quê? 
Ele bufou em tom cínico.
— Sei o que fizeram. Uma antiga brincadeira de gêmeos, mas que costuma funcionar muito bem. Vocês foram primorosas, certamente. Trocam de personalidade num piscar de olhos.
— Não me orgulho do que fiz, mas...
— Divertiu-se, Vanessa? Gostou de me fazer de idiota? Achou engraçado quando não pude mais me controlar, quando decidi me deitar com você?
— Eu não queria que isso acontecesse! Precisa acreditar em mim!
— Não acredito em nada do que você diz. Como poderia, depois de tudo o que você fez?
— Não queria magoá-lo.
— Magoar? — Ele a fitou com altivez. — Teria que se esforçar muito para conseguir isso, Vanessa. Estou acostumado a mulheres como você, sei me proteger. — Abriu a porta, indicando que ela deveria sair. — Você tem até amanhã para sair de minha casa. Mando os papéis de divórcio depois.
O choque deixara Vanessa imóvel, as pernas recusando-se a dar um passo sequer.
— Não ouviu? — ele perguntou.
— Quero ver Lynda com freqüência — Vanessa respondeu, tentando conter as lágrimas.
— Isso depende da mãe dela.
— Stella não se importa com Lynda. Só se preocupa consigo mesma. Ela bateu em Lynda. E fará isso novamente, como minha mãe fazia.
— Sua irmã é a mãe de Lynda, portanto é a guardiã legal. Você não tem o poder de interferir.
— Nem você — Vanesa retrucou.
— Garanto que sua irmã e eu chegaremos a um acordo satisfatório.
— Desde que ofereça muito dinheiro, Stella ficará satisfeita — ela respondeu com amargura. — Mas pense duas vezes antes de deixá-la sozinha com Lynda. Ela não é confiável.
— E você é? — ele debochou. —Você, que mentiu para mim o tempo inteiro? Como posso acreditar no que você diz?
— Quero o melhor para Lynda. Esta foi a minha motivação. Não importa se não acredita em mim; isso não muda nada.
Zac a fitou brevemente.
— Prefiro não vê-la novamente. Um carro a levará ao aeroporto amanhã.
Vanessa percebeu que fora vencida.
Passou por Zac sem deixar que ele visse o quanto estava abalada. Assumiu uma expressão indiferente, os ombros eretos e a cabeça erguida.
Quando chegou ao quarto, já não podia mais conter as lágrimas. Jogou-se na cama e chorou até ficar de olhos inchados. Após alguns minutos, levantou-se e guardou algumas coisas dentro da bolsa. Entrou de mansinho no quarto de Lynda e tocou o rostinho da menina.
— Adeus, querida. Nunca me esquecerei de você. Faria qualquer coisa para continuar ao seu lado, mas Zac... — Ela mordeu o lábio. — Zac não me quer. — Conteve um soluço. — Mas ele te ama, querida. Ama muito. Sei que será um pai maravilhoso. Sinto isso no fundo do coração.
Vanessa fechou a porta bem devagar e desceu a escada silenciosamente, saindo da casa e da vida de Zac.
Zac voltou ao salon, onde Stella se servia um copo de seu melhor brandy. Ela exibiu um sorriso sedutor e ergueu o copo num brinde.
— Esclareceu as coisas, Zac? Ela confessou? Zac apertou os lábios, passando distraidamente a mão pelos cabelos.
— Ela sempre teve inveja de mim — Stella continuou. — Sempre tive namorados, mas ninguém olhava duas vezes para ela. É tímida demais. Patético, não acha? E ainda é virgem, caso você não tenha cuidado disso. E com 24 anos! Pode acreditar?
Zac congelou.
Stella sentou-se e cruzou as pernas, observando Zac especulativamente.
— Então quer ficar com Lynda? Ele finalmente recuperou a voz.
— Sim.
Ela o fitou através dos olhos semicerrados, produzindo um ruído característico ao deslizar o dedo pela borda do copo.
— Não posso oferecer a ela o mesmo que você. — Stella fez beicinho. — Mas se quer adotá-la... bem... — Ela sorriu. — Fico fora do caminho pelo preço certo, por assim dizer.
— Diga seu preço. Stella pediu um valor que teria deixado Zac chocado caso as circunstâncias fossem diferentes.
— A papelada será preparada pela manhã. Stella descruzou e cruzou novamente as pernas, um sorrisinho no rosto.
— Por que não me dá um adiantamento? Preciso encontrar um lugar para ficar... A não ser que tenha uma cama para me oferecer...
Zac forçou um sorriso educado.
— Quanto? — perguntou, pegando a carteira. Ela se levantou do sofá e tomou o maço de notas que ele oferecia. Então deslizou os dedos pela camisa dele.
— Sabia que você é mais bonzinho que seu irmão? Ele não queria me dar mais nada nos últimos tempos.
Zac afastou a mão dela.
— Ele lhe deu uma filha. - Stella fez beicinho novamente.
— Eu nunca a quis. Só a tive por insistência de Vanessa.
Zac queria atirá-la porta afora. Mal acreditava que duas irmãs gêmeas pudessem ser tão diferentes.
— Chamarei um táxi — ele disse, aproximando-se do telefone.
— Tem certeza de que não quer companhia? — Ela deu uma piscadela enquanto deslizava a mão sedutoramente pelo quadril.
— Não. — Ele abriu a porta para ela. — Quero vê-la fora daqui.
Assim que Stella partiu, Zac foi procurar Vanessa, ensaiando um pedido de desculpas na cabeça. Como fora capaz de julgá-la tão mal? Claro que Vanessa faria qualquer coisa para proteger Lynda de uma mãe daquelas.
Como não adivinhara? Ela era completamente diferente de Stella. Era leal, devotada, abnegada, tímida e — Zac engoliu em seco — fora virgem.
— Vanessa? — Bateu na porta, mas não houve resposta. Entrou no quarto e viu algumas peças de roupa espalhadas sobre a cama. — Vanessa! — chamou ainda mais alto ao entrar no quarto de bebê, fazendo com que a porta batesse na parede.
Lynda acordou assustada e começou a chorar, os soluços arrancando Zac daquele torpor momentâneo.
— Ei, calma, pequenina — murmurou ao pegá-la no colo, afagando-lhe as costas enquanto saía para procurar Vanessa pelo resto da casa.
Lynda parecia inconsolável, chorava cada vez mais alto, como se também sentisse o pânico que ele estava sentindo.
— Não chore — Zac implorou enquanto vasculhava o andar de baixo. — Vamos encontrá-la, não se preocupe. Precisamos encontrá-la.
Depois de vinte minutos, deu-se por vencido. Vanessa tinha desaparecido. E agora ele estava com um bebê nos braços — um bebê muito descontente — que chorava por aquela que considerava sua mãe.

Oiiii pessoal!!
Aqui está o TÃO aguardado capítulo...
Agora estamos no finalzinho MESMOOO!!
Amanha posto qual será a nova fic, com site e sinopse!! 
Obrigada mais uma vez pelos comentários meninas...

Beijoos até qlqr hora!!

3 comentários:

  1. Caramba!!
    Ainda bem q o zac se arrependeu de ter falado tudo aquilo p vanessa,q ele consiga achar ela :D
    Pena q já vai acabar :(

    ResponderExcluir
  2. AAAAAAAAAAA TÔ ME DESCABELANDO AQUI
    que capítulo foi esse?mega incrível
    eu amei ♥♥♥
    Stella sua vadia,vc ainda vai se dar mal
    espero que o Zac encontre logo a Vanessa
    nem acredito que já seja o penúltimo capítulo :'(
    posta mais e logo,kisses

    ResponderExcluir
  3. Essa Stella é horrível!
    Posta logo.
    Beijos.

    ResponderExcluir