sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Capítulo 15

A primeira coisa que Vanessa viu ao descer com Lynda na manhã seguinte foi um cheque em seu nome sobre o balcão da cozinha, o dobro do valor da mesada que Zac havia depositado no banco no dia anterior.
Não sabia se ficava zangada ou magoada. Ele estava pagando a aposta por culpa ou para insultá-la ainda mais? Amassou e atirou o cheque contra a parede mais próxima, ouvindo um resmungo de reprovação às costas. Deparou-se com Lúcia a encará-la com seu desprezo habitual, os olhos escuros mirando a bola de papel perto da parede.
— Quer que eu limpe, signore?
Vanessa, sem pensar, respondeu em italiano.
— No. Mi scusi. Eu jogo fora.
Lúcia ficou espantada, abrindo e fechando a boca feito um peixe.
Vanessa demonstrou arrependimento.
— Eu deveria ter contado antes. Falo italiano.
— Signore Efron não me contou isso — Lúcia disse, estreitando os olhos.
— Ele não sabe. Lúcia ergueu as sobrancelhas.
— Não contou a ele? Vanessa meneou a cabeça e suspirou.
— Há muita coisa que não contei a ele. — Olhou Lynda, que chupava a mão ruidosamente. — Muita coisa.
Percebeu que Lúcia a observava detidamente.
— Signore Efron tinha negócios a tratar. Voltará para casa antes de sairmos para o aeroporto.
Vanessa exibiu um sorriso hesitante.
— Grazie, Lúcia.
— Ele será um bom marido — Lúcia disse depois de breve silêncio. — Precisa lhe dar tempo. Ainda está sofrendo; não tem agido como ele mesmo.
Vanessa sorriu por dentro devido à ironia contida nas palavras de Lúcia. Zac não era o único que não estava agindo como si!
— Lynda é um belo bebê — Lúcia disse, admirando a Vanessa. — Ela trouxe alegria à vida do Signore Efron.
Vanessa brincava com os dedinhos da sobrinha.
— Você é meu mundo, não é, Lynda?
— Você é uma mãe maravilhosa — Lúcia afirmou. — Ninguém duvidaria disso.
Vanessa ficou surpresa. Lúcia vinha sendo hostil há dias. O que causara aquela súbita mudança?
Lúcia a observava com tanto intento que Vanessa desviou o olhar, incapaz de afastar o pressentimento de que a governanta começava a juntar algumas peças daquele complicado quebra-cabeça.
— Ligaram para você enquanto estava no banho. Não queria que o barulho do celular acordasse Lynda, então atendi. — Lúcia fez uma breve pausa.
Espero que não se importe.
— Não. — Vanessa engoliu em seco. — Não, claro que não me importo. — Tentou manter a voz calma. — Quem... quem era?
— Ela não disse, mas por um momento pensei que fosse você. Na verdade, foi estranho. A voz dela parecia familiar.
— Ela... deixou recado? — Vanessa perguntou, olhando para as mãozinhas de Lynda com renovado propósito.
— Disse que ligaria mais tarde.
— Grazie.
Houve outro momento de silêncio.
— Signore Efron quer que eu a ajude com as malas.
— Não precisa, Lucia. Eu cuido disso. Não tenho muitas coisas para levar mesmo.
Lucia ainda a fitou com ar pensativo antes de ir cuidar de suas tarefas.
— Se precisar de alguma ajuda, Signora Efron, é só pedir. Será um prazer ajudá-la.
— Grazie, Lucia.
Vanessa esperou Lucia sair da cozinha para soltar o fôlego. Suspirou ao fitar a sobrinha, murmurando bem baixinho:
— Estou com água pelo pescoço, Lynda. E estou afundando bem rápido.
Lynda exibiu um de seus sorrisos desdentados e recolocou a mãozinha na boca.
Zac sabia da relutância de Vanessa em estabelecer contato visual. Ela falava educadamente com Lucia e foi abertamente carinhosa com Lynda ao acomodá-la no carro, mas sempre desviava o olhar quando o via, as bochechas ficando levemente rosadas.
Observou-a enquanto dirigia até o aeroporto, franzindo a testa ao ver como ela parecia inquieta.
A lembrança da intimidade partilhada na noite anterior o atormentava constantemente, a sensação do corpo dela, a boca macia, os soluços por ter agido com ímpeto demais.
Tivera tanta certeza de que seria capaz de resistir, mas no fim foi impossível. Mesmo que o irmão a tivesse descartado, Zac sabia que não seria fácil seguir o exemplo. Apesar de tudo o que sabia sobre ela, não conseguia tirar Vanessa de sua mente. Cada pensamento seu era voltado para ela; mesmo dormindo era assombrado por ela.
Não conseguia compreender Vanessa. Se era mesmo o tipo de mulher que o irmão descrevera, por que evitava seu olhar? Estava confuso desde a noite anterior. Nada fazia sentido. Sabia que as pessoas podiam mudar, mas a mudança de Vanessa desafiava todas as possibilidades.
— Pelo seu silêncio, presumo que não está animada com a viagem — ele disse depois de prolongado silêncio.
Vanessa vasculhou a bolsa aos seus pés e entregou a Zac o cheque que ele lhe deixara pela manhã, os olhos comunicando sua raiva. Zac olhou para o cheque por um instante. Seria um truque?
Viu o quanto ela parecia ressentida.
— Lamento pela noite passada. A viagem será ainda mais desagradável se não aceitar meu pedido de desculpas.
— Aceito as desculpas — ela retrucou. — Só não aceito seu dinheiro.
— Não sei por que está zangada. Foi uma aposta honesta. Eu perdi e paguei... Ou talvez você esteja zangada por ter concordado com um valor tão baixo? — Ele sorriu ligeiramente. — Quer que eu triplique o valor para aplacar sua ira?
Vanessa desviou o rosto, os olhos brilhando com lágrimas de raiva.
— Ora, Vanessa! Já foi paga por seus encantos antes. Dylan me disse o quanto você adorava receber jóias por seus favores. Afinal, esta é a moeda universal das amantes. Não há motivo para se fingir afrontada; não estaria sendo você mesma.
Não, Vanessa pensou com pesar. Certamente não estava sendo ela mesma.
Pouco tempo depois, Vanessa estava parada ao lado de Zac, esperando pelo pior. Tinha "esquecido" a certidão de nascimento de Lynda. Caso alguém pedisse outro documento, não saberia o que fazer. Felizmente ninguém pediu nada. Foram liberados como se fossem um casal comum viajando com a filhinha. O jatinho de Zac em nada se parecia com o avião no qual Vanessa viajara anteriormente. Sentou-se num assento luxuoso enquanto Zac acomodava Lynda ao lado dela, a equipe oferecendo assistência e perguntando se tudo estava ao seu gosto.
Enquanto o jatinho taxiava, Vanessa fechou os olhos, o pânico fazendo-a suar.
Sentiu a mão de Zac segurar uma das suas, o toque quente de seus dedos incrivelmente tranquilizador. Abriu os olhos e encontrou o olhar dele. Encabulada, preferiu olhar para as mãos.
— Sei que é tolice, mas não consigo evitar. Zac apertou de leve os dedos dela.
— Feche os olhos e tente dormir. Antes que perceba, já teremos chegado.
Ela fechou os olhos para dormir, mas, embora exausta, era impossível ignorar o fato de Zac estar sentado tão perto dela. Podia sentir a fragrância do pós-barba e, sempre que ele se mexia, sentia o leve toque do braço forte contra o dela.
Notou que Zac lhe deu algumas olhadas, com ar pensativo, o que a deixou incomodada. Será que estava suspeitando dela?
A Villa Efron ficava a pouca distância de Sorrento, no topo de uma colina com vista para a baía de Nápoles, os arredores tomados por oliveiras e videiras que cresciam viçosas entre alamedas de limoeiros e laranjeiras. O palacete não era velho, mas fora construído no estilo clássico e era cercado por pátios pavimentados com pedra e belos jardins.
Vanessa segurava Lynda enquanto Zac a guiava pelo cotovelo em direção à porta de entrada, onde uma empregada conversava animadamente com Lúcia, que seguira na frente.
Lúcia entrou e a pequena italiana com quem ela conversava curvou a cabeça respeitosamente para o patrão.
— Buon giorno, Signore Efron. Seu pai está esperando no salon.
— Grazie, Paloma.
Paloma se voltou para Vanessa, mas em vez da recepção fria que Vanessa esperava, a mulher sorriu calorosamente.
— Seja bem-vinda, Signora Efron. Meu inglês não é muito bom, mas tentarei ajudá-la no que puder.
— Você é muito gentil — Vanessa respondeu. — Grazie.
Zac a conduziu para dentro do palazzo, os passos ecoando no piso de mármore. Outro empregado esperava do lado de fora do salon e abriu a porta quando eles se aproximaram.
Os olhos de Vanessa logo se depararam com o homem sentado numa cadeira de rodas próxima a um grande sofá.
— Papai. — Zac se inclinou para beijar as faces do pai. — É bom vê-lo.
As mãos de David Efron agarraram as laterais da cadeira de rodas quando Zac trouxe Vanessa para perto.
— Papai, esta é Vanessa. E esta é sua neta, Lynda.
Vanessa estendeu a mão para David, mas ele a ignorou. Seu olhar estava concentrado no bebê em seu colo. Havia um brilho de lágrimas nos olhos dele, o queixo tremia ao esticar a mão nodosa para Lynda.
Lynda exibiu um sorriso, as mãozinhas segurando a dele.
Vanessa teve que lutar contra as lágrimas. Colocou a menina no colo do avô e recuou, procurando discretamente por um lenço. Notou o olhar penetrante de Zac, então fingiu-se interessada na vista da janela.
— Ela é tão parecida com Dylan... e com sua mãe. — David falou em italiano, a voz embargada de emoção.
Vanessa viu como Zac parecia querer engolir as emoções que o comentário do pai evocavam.
— Finalmente fez uma coisa certa, Zac — o pai continuou falando na própria língua. — Sei que não queria estar casado com uma mulher dessas, mas isso logo terá fim. Já procurei aconselhamento. Quando for o momento, não será difícil tirar a criança dela
Vanessa se esforçou para não revelar que o compreendia.
— Papai, precisamos discutir certas coisas, mas não agora — Zac comentou baixinho, o olhar fixo em Vanessa junto à janela.
David riu de escárnio.
— Acha que ela entende alguma palavra dessa conversa? Não seja idiota, Zac. Dylan disse que ela não passa de uma mulherzinha frívola e ignorante. Duvida? Não vá me dizer que ela já achou o caminho da sua cama!
Vanessa percebeu que Zac cerrava o queixo, o rubor tomando suas faces, mas ela não teve escolha senão fingir-se alheia ao que era dito quando ele a fitou rapidamente.
— Não se esqueça do que ela fez! — David continuou fervoroso.
— Não esqueci — Zac disse, pegando Lynda no colo. — É hora de Lynda dormir. Melhor você descansar até a hora do jantar. — Olhou novamente para Vanessa, agora falando em inglês. — Vamos, Vanessa. Precisamos colocar Lynda para dormir e nos trocarmos para o jantar.
Vanessa sorriu educadamente para David ao estender a mão.
— Foi um prazer conhecê-lo, Signore Efron. Pela segunda vez naquela noite, David Efron a ignorou.
— Papai? — Zac disse, olhando zangado para o pai.
David resmungou qualquer coisa incompreensível e apertou brevemente a mão de Vanessa.
— Obrigado por trazer minha neta para me ver. Não tenho muito tempo. Ela é tudo que nos restou de Dylan.
Vanessa piscou para conter as lágrimas.
— Sinto muito pelo o que sofreu.
David recuou com a cadeira, dispensando Vanessa de sua presença.
— Não sabe nada sobre meu sofrimento. Nada. Zac segurou Vanessa pelo cotovelo e a levou para fora, fechando a porta do salon ao sair.
— Perdoe a indelicadeza do meu pai — disse enquanto rumavam para a grande escadaria que conduzia ao andar superior. — Ele ainda está sofrendo. — Hesitou um pouco antes de acrescentar: — Nem é preciso dizer que Dylan era o filho favorito.
Vanessa parou e o encarou.
— Está tudo bem, Zac. Eu compreendo. Foi um momento difícil para todos vocês.
Ele sorriu para ela, de modo triste, mas ainda era um sorriso.
— Às vezes me pergunto o que minha mãe pensaria de você.
— Sua mãe?
Ele apontou para uma pintura pendurada na parede lá em cima.
— Minha mãe.
Da escada, Vanessa admirou o retrato da bela mulher de cabelos loiros e pele de porcelana.
— Ela é muito bonita.
— Sim... ela era.
O tom da voz fez com que Vanessa se voltasse para ele.
— Meu pai nunca me perdoou por ter causado a morte dela.
Vanessa ficou atônita. Zac a encarava por cima da cabecinha de Lynda, que se apoiara em seu colo, as mãozinhas segurando sua camisa.
— Íamos nos encontrar, mas eu estava atrasado. Liguei dizendo que fizesse alguma coisa para se distrair enquanto eu não chegava.
Vanessa sentiu o ar preso no peito. Pressentia o que estava por vir, a culpa que pesava em sua consciência...
— Ela estava do outro lado da rua quando me viu. Acenou e chamou por mim... Uma scooter esbarrou nela quando ela foi atravessar a rua. Ela não viu o outro carro. Nem eu. Só a vi sendo lançada no ar e caindo na minha direção feito uma boneca de trapos. — Zac se virou para o retrato e suspirou. — Se eu tivesse chegado uns segundos antes...
— Não! — Vanessa lhe agarrou o braço. — Não, não deve pensar assim!
Zac se desvencilhou dela, segurando a sobrinha com firmeza enquanto terminava de subir a escada.
— Não se pode mudar o passado, Vanessa. Você, mais do que ninguém, sabe disso. Todos fazem coisas das quais se arrependem mais tarde.
Vanessa queria ter uma resposta, mas o que ele dizia era verdadeiro. Suas próprias atitudes impulsivas já tinham lhe causado um arrependimento incalculável. Se tivesse contado naquele primeiro dia o que estava acontecendo, talvez não estivesse naquela situação. Ele era um homem sensato, com princípios morais.
Se tivesse falado sobre seus temores quanto à segurança de Lynda... Será que ele teria tirado Lynda de sua vida sem pensar no impacto que isso causaria à vida da sobrinha?
— Zac?
Ele se virou, a sobrinha adormecida nos braços.
— Vanessa, esta é a última chance de meu pai ter um pouco de paz. Sei que é difícil para você...
— Não é difícil — ela disse, tocando-lhe o braço gentilmente. — Devo isso à memória de Dylan. Numa outra vida, sob outras circunstâncias, talvez ele tivesse aceitado Lynda como filha. Foi o momento errado. Você assumiu o papel de pai de Lynda. Eu sou... a mãe. Cabe a nós fazer o melhor por ela.
— Está satisfeita com isso por enquanto? Vanessa olhou a menina aninhada na força protetora dos braços de Zac.
— Estou satisfeita. — Suspirou ao buscar pelos olhos dele. — Por enquanto.
Um pequeno silêncio os envolveu. Vanessa não conseguia tirar os olhos da dor refletida nos dele. Voltar para casa afetara Zac profundamente, a torrente de lembranças sem dúvida evocava a culpa que ele sentia pela morte da mãe. Não sofrerá a mesma angústia? Embora a mãe fosse responsável pela própria morte, Vanessa sentia que tinha falhado de alguma forma. Se a tivesse internado numa clínica, ou feito visitas mais frequentes, talvez o resultado fosse diferente.
— Vamos. — A voz de Zac quebrou o silêncio. — Lúcia cuidará de Lynda. Meu pai não gosta de ficar esperando.
Oiiii pessoal!!
Aqui está mais um capítulo pra vcs...
Estamos entrando na reta final da nossa fic...
Próximo capítulo abrirei a votação novamente para
que vocês escolham qual será a próxima fic okay!?
Obrigada pelos comentários girls...
Beijoos até qlqr hora!!


4 comentários:

  1. Acho que a Lúcia já entendeu tudo.
    Posta logo.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. capitulo maravilhoso!
    tambem acho que lucia esta desconfiando ja..
    posta logo..
    beijos!

    ResponderExcluir
  3. capítulo mega perfeito *-*
    posta mais e logo,kisses

    ResponderExcluir
  4. Já ta no final?? :(
    Mas está mto boa,anciosa p o próximo

    ResponderExcluir